ARQUEOLOGIA IBEROAMERICANA - ISSN 1989-4104
ARTÍCULO de investigación • Vol. 44 (2019), pp. 10-21 • PDF 995 KBenglish


Marcos Jadiel Alves,a,b Wilkins Oliveira de Barros,b Bruna de Souza Lopes,b
Benedito Batista Farias Filho,b Claudevan Alvino de Sousa,c
Francisco Eroni Paz dos Santos,c Aline Freitas,d
Maria Conceição Soares Meneses Lage b,d
a Instituto Federal do Piauí (IFPI), Cocal, Piauí, Brasil; b Departamento de Química, Centro de Ciências da Natureza, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, Piauí, Brasil; c Departamento de Física, Centro de Ciências da Natureza, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, Piauí, Brasil; d Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, Centro de Ciências da Natureza, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, Piauí, Brasil
(jadiel.alves@ifpi.edu.br)


Arqueol. Iberoam.


Resumo
Foi realizada a caracterização química e mineralógica de pinturas rupestres das tradições Agreste e Geométrica dos sítios arqueológicos da Descoberta e Saco do Cipó, Piauí, Brasil, através das técnicas arqueométricas: (i) fluorescência de raios X de bancada e portátil (FRX) por dispersão de energia, e (ii) espectroscopia Raman. Os resultados apontam grandes quantidades de silício, alumínio, fósforo, enxofre, potássio, cálcio e ferro. As pinturas rupestres, de diferentes tonalidades de cor, foram preparadas com materiais ricos em hematita (α-Fe2O3). A espectroscopia Raman permitiu identificar o óxido de ferro sob a forma de hematita e o óxido de titânio sob a forma de anatásio (TiO2), além de muitos cristais de quartzo (SiO2). As semelhanças na composição químico-mineralógica das duas tradições de pinturas rupestres indicam que elas possuem a mesma composição elementar e que provavelmente foram utilizadas em seu processamento matérias-primas oriundas de mesma área-fonte.

Palavras-chave
Arqueometria; espectroscopia Raman; Tradição Agreste; Tradição Geométrica; composição químico-mineralógica.

Fechas
Recibido: 23-9-2019. Aceptado: 29-9-2019. Publicado: 7-10-2019.

Cómo citar
Alves, M. J., W. O. Barros, B. S. Lopes, B. B. Farias F., C. A. Sousa, F. E. P. Santos, A. Freitas, M. C. S. M. Lage. 2019. Semelhanças químico-estruturais entre pigmentos de pinturas rupestres pré-coloniais de São Miguel do Tapuio, Piauí, Nordeste do Brasil.
Arqueología Iberoamericana 44: 10-21.

Otros identificadores persistentes

Agradecimentos
Ao CNPq-Brasil pela bolsa de Produtividade em Pesquisa de M. C. S. M. Lage e pela bolsa de Iniciação Científica junto à UFPI de W. O. Barros. À CAPES-Brasil (Projeto PNPD: 20130219) pela bolsa de Pós-Doutorado de A. Freitas e pela bolsa de Mestrado de B. S. Lopes, C. A. Sousa e de M. J. Alves. À Universidade Federal do Piauí (UFPI) pela bolsa de produtividade de F. E. Paz dos Santos.

Sobre os autores
Marcos Jadiel Alves é professor da Graduação do Instituto Federal do Piauí (IFPI) e mestre (Química) pela Universidade Federal do Piauí (UFPI); atualmente faz doutorado em Química Analítica pela UFPI. E-mail: jadiel.alves@ifpi.edu.br.
Wilkins Oliveira de Barros faz graduação em licenciatura em Química pela Universidade Federal do Piauí. E-mail: wilkins-wl@hotmail.com.
Bruna de Souza Lopes é mestre em Química pela Universidade Federal do Piauí e técnica de laboratório de Química na Universidade Federal do Maranhão (UFMA). E-mail: brunalopes.quimica@gmail.com.
Benedito Batista Farias Filho, professor da Graduação e Mestrado (Arqueologia) da Universidade Federal do Piauí, é doutor em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). E-mail: beneditofarias@ufpi.edu.br.
Claudevan Alvino de Sousa Filho é graduado em Física pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Atualmente faz mestrado em Física pela Universidade Federal do Piauí. E-mail: claudevan.ufpi@gmail.com.
Francisco Eroni Paz Dos Santos, doutor em Física pela Universidade Federal do Pernambuco (UFPE), é professor da Graduação e Mestrado da Universidade Federal do Piauí. E-mail: franciscoeroni@gmail.com.
Aline Gonçalves de Freitas é doutora em Ciências (Geologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente realiza Pós-Doutorado pela Universidade Federal do Piauí. E-mail: tuttyfreitas@gmail.com.
Maria Conceição Soares Meneses Lage, doutora em Arqueologia, Antropologia e Etnologia pela Université Paris 1 (Panthéon-Sorbonne), é professora titular da Universidade Federal do Piauí e membro permanente dos programas de Pós-Graduação em Química e em Arqueologia. E-mail: meneses.lage@gmail.com.

Referências

Alves, T. L. et alii. 2011. Pigmentos de pinturas rupestres pré-históricas do sítio Letreiro do Quinto, Pedro II, Piauí, Brasil. Química Nova 34/2: 181-185. Google Scholar.

Beck, L. et alii. 2014. First use of portable system coupling X-ray diffraction and X-ray fluorescence for in-situ analysis of prehistoric rock art. Talanta 129: 459-464. Google Scholar.

Calza, C. F. 2010. Fluorescência de raios X aplicada à análise de bens culturais. Boletim Eletrônico da ABRACOR 1: 20-26. Google Scholar.

Cavalcante, L. C. D. et alii. 2018. Archaeometric analysis of prehistoric rupestrian paintings from the Toca do Estevo III site, Piauí, Brazil. Journal of Archaeological Science: Reports 18: 798-803. Google Scholar.

Choay, F. 2006. A alegoria do patrimônio. Trad. Luciano Vieira Machado. 3.ª ed. São Paulo: Estação Liberdade, UNESP.

Faria, D. L. A. et alii. 1997. Raman microspectroscopy of some iron oxides and oxyhydroxides. Journal of Raman Spectroscopy 28/11: 873-878. Google Scholar.

Faria, D. L. A. et alii. 2011. Análise de pinturas rupestres do Abrigo do Janelão (Minas Gerais) por microscopia Raman. Química Nova 34/8: 1358-1364. Google Scholar.

Frahm, E. et alii. 2014. Handheld Portable X-Ray Fluorescence of Aegean Obsidians. Archaeometry 56/2: 228-260. Google Scholar.

Gaspar, M. D. 2003. A arte rupestre no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Google Scholar.

Gay, M. et alii. 2016. Efficient quantification procedures for data evaluation of portable X-ray fluorescence - Potential improvements for Palaeolithic cave art knowledge. Journal of Archaeological Science: Reports 10: 878-886. Google Scholar.

Guidon, N. 1985. A arte pré-histórica da área arqueológica de São Raimundo Nonato: síntese de dez anos de pesquisa. Clio: Revista do Curso de Mestrado de História 2/7: 3-80. Google Scholar.

Guidon, N., M. C. S. M. Lage. 2002. Sauvegarde des peintures préhistoriques de Tradition Nordeste du site de Toca do Veado (Piauí, Brésil). Inora 33: 28-31.

Katsaros, T. et alii. 2009. New experimental and analytical study. Mediterranean Archaeology & Archaeometry 9/1: 29-35.

Lage, M. C. S. M. 1997. Análise química de pigmentos de arte rupestre do sudeste do Piauí. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Suplemento 2: 89-101. Google Scholar.

Lage, M. C. S. M. 2007. Proteção ao material arqueológico e etnográfico: a conservação de sítios de arte rupestre. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 33: 9-30. Rio de Janeiro.

Lage, M. C. S. M., J. F. Borges. 2003. A teoria da conservação e as intervenções no sítio Boqueirão da Pedra Furada. Parque Nacional da Serra da Capivara, Piauí. Clio Arqueológica 16: 33-47. Google Scholar.

Lage, M. C. S. M., W. Lage. 2014. Conservation of Rock-Art sites in Northeastern Brazil. Open-Air Rock-Art Conservation and Management: State of the Art and Future Perspectives, eds. T. Darvill & A. P. B. Fernandes, pp. 201-213. New York. Google Scholar.

Lage, M. C. S. M. et alii. 2017. Arte rupestre pré-histórica: algumas medidas de conservação. Preservação do Patrimônio Arqueológico: desafios e estudos de caso, eds. G. N. Campos & M. Granato, pp. 99-119. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST.

Martin, G. 2005. As Pinturas Rupestres do sítio Alcobaça, Buíque-PE, no contexto da Tradição Agreste. Clio Arqueológica 18: 27-49. Google Scholar.

Martin, G. 2008. Pré-história do Nordeste do Brasil. Recife: Editora Universitária UFPE. Google Scholar.

McCarty, K. F. 1988. Inelastic light scattering in α-Fe2O3: Phonon vs magnon scattering. Solid State Communications 68/8: 799-802. Google Scholar.

Michaelian, K. H. 1986. The Raman-spectrum of kaolinite #9 at 21 °C. Canadian Journal of Chemistry 64/2: 285-294. Google Scholar.

Munsell, C. 1975. Munsell Soil Color Charts. Baltimore: Macbeth Division of Kollmorgen Corporation. Google Scholar.

Murad, E. 1997. Identification of minor amounts of anatase in kaolins by Raman spectroscopy. American Mineralogist 82/1-2: 203-206. Google Scholar.

Pessis, A. M. 2002. Do estudo das gravuras rupestres pré-históricas no Nordeste do Brasil. Clio Arqueológica 1/15: 29-44. Google Scholar.

Pessis, A. M., N. Guidon. 1992. Registros rupestres e caracterização das etnias pré-históricas. Grafismo Indígena: estudos de antropologia estética, ed. L. Vidal, pp. 19-33. São Paulo: Stúdio Nobel, EDUSP/FAPESP. Google Scholar.

Rodrigues, M. I. C. et alii. 2018. Physicochemical analysis of Permian coprolites from Brazil. Spectrochimica Acta Part A: Molecular and Biomolecular Spectroscopy 189: 93-99. Google Scholar.

Santos, L. M. et alii. 2018. Chemical and mineralogical characteristics of the pigments of archaeological rupestrian paintings from the Salão dos Índios site, in Piauí, Brazil. Journal of Archaeological Science: Reports 18: 792-797. Google Scholar.

Steyn, R. 2014. Portable X-ray fluorescence and nuclear microscopy techniques applied to the characterisation of southern African rock art paintings. Dissertação (Mestrado em Ciências). Stellenbosch University. Google Scholar.

Valdez, B. et alii. 2008. Characterisation of materials and techniques used in Mexican rock paintings. Rock Art Research 25/2: 131-135. Google Scholar.


Licencia Creative Commons

© 2019 ARQUEOLOGÍA IBEROAMERICANA. ISSN 1989-4104. Licencia CC BY 3.0 ES.
Revista científica editada por Pascual Izquierdo-Egea. Graus & Pina de Ebro, Spain.
Compatible W3C HTML 4.01. Contacto